betafly-color.png

Learning Agility: o mindset que invadiu o Vale do Silício

banner-blog2-4

Learning Agility pode ser a chave de sucesso que você precisa para acompanhar este mundo ágil.

Desde pequenos, quando entramos nas escolas, nossos pais nos incentivam a estudar para entrar em uma universidade de renome, como se nossas carreiras e o desenvolvimento de toda nossa vida profissional dependesse disso. Segundo o censo dos EUA de 2018, a porcentagem de jovens que largaram a faculdade na metade é maior que o número que concluiu algum bacharelado. Os custos de um curso presencial numa boa faculdade se mostraram exorbitantes, principalmente no cenário da pandemia. Na era do digital, é muito fácil conseguir certificados em cursos on-line de curta duração e até mesmo gratuitos – e é o que tem acontecido.

Momento de mudanças

Estamos passando por uma transição na forma do aprendizado. Precisamos de conhecimento para evoluir e contribuir com o mundo, mas a maneira de aprendizado está se modificando e o que fazemos com todo conhecimento adquirido tem se mostrado mais importante que o conhecimento em si. No mercado de trabalho, muitas vezes não é o candidato com o melhor diploma que consegue a vaga, mas sim quem consegue solucionar problemas (não estamos dizendo que ter uma boa formação não é importante, talvez não tenha mais o mesmo peso como na nossa época, pois hoje foram adicionadas outras perspectivas que anteriormente não eram necessárias). As transformações e a mudança para o digital estão acontecendo num ritmo acelerado, precisamos estar preparados para viver situações e para atuar em trabalhos jamais explorados. 

A era digital

Em janeiro deste ano, o Fórum Econômico Mundial publicou um artigo presumindo que seriam criados 133 milhões de novos empregos para atender às necessidades da Quarta Revolução Industrial, mas as habilidades requeridas também sofrerão alterações. Estima-se que 42% das habilidades que conhecemos hoje serão modificadas nos próximos dois anos. Segundo a OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), aproximadamente 1/3 dos empregos mundiais poderão sofrer alguma modificação por conta dos nossos avanços tecnológicos. Em meio às promessas de grandes mudanças num ritmo impressionante, Learning Agility, em outras palavras, a agilidade de aprendizagem, é uma das características mais procuradas pelos recrutadores em um candidato.

Skills, not degrees

Jeff Weiner, CEO do LinkedIn, defende que as maiores empresas de tecnologia (e que tem crescido surpreendentemente) têm adotado uma nova estratégia para recrutar seus funcionários: habilidades, não diplomas. O fato de não exigirem diplomas não significa que tenham diminuído as exigências para ser contratado ou que tenham “baixado o nível” da empresa. As habilidades que os candidatos possuem que estão nos seus radares e são o que realmente importam. Algumas das empresas internacionais que adotaram esse modelo de contratação são Google, IBM, Apple, C6 Bank, entre outras. No Brasil, algumas empresas já praticam esse lema também, como Nubank, Movile (dona do iFood) e EBANX.

Lifelong Learning e Learning Agility são a mesma coisa?

Muitas pessoas dizem que sim, mas, na verdade, são dois conceitos diferentes. Lifelong Learning consiste em aprender durante a vida toda. Algumas pessoas possuem esse perfil, são estudiosas, sentem prazer no ato de aprender e estudar, mas qualquer um pode aprender novos skills, se especializar em temas que já conhece e até trocar de carreira com o aprendizado de outros skills. Muitas plataformas já se baseiam em Lifelong Learning, como Udacity, Coursera, Udemy e o Continuing Education de Stanford, por exemplo. Learning Agility é o famoso “se vira nos 30”, quando você não sabe exatamente o que fazer, mas você vai e faz. É uma mistura de habilidade e vontade de aprender através de uma experiência inusitada, na qual você adquire capacidades que antes não tinha, para atingir bons resultados e uma alta performance.

Mas o que é Learning Agility?

Learning Agility é sobre a habilidade de aprender continuamente com as experiências e conseguir aplicar esses novos aprendizados em cenários e situações inéditas. Learning Agility é uma mentalidade que precisa ser trabalhada, praticada. Pessoas com esse mindset tendem a administrar melhor suas oportunidades de aprendizado, seu negócio e sua própria carreira. Além da capacidade de aprender novas coisas rapidamente, essas pessoas conseguem se reinventar e se aprimorar a partir de seus erros e apresentar um desempenho melhor no trabalho. São pessoas curiosas e capazes de absorver novos conceitos e resolver problemas complexos rapidamente. São movidas por desafios!

Os níveis de Learning Agility podem ser mensurados através destes cinco pilares: Mental agility, People agility, Change agility, Results agility e Self-awareness. 

Mental agility – se manter curioso e questionador, abraçar a complexidade, analisar problemas por outra perspectiva, criar novas conexões.

People agility – ter mente aberta para lidar com as pessoas, gostar de interagir com grupos diversos e despertar o que é de melhor nos outros.

Change agility – ser inquieto, ter uma grande vontade de liderar esforços transformadores e explorar continuamente novas possibilidades.

Results agility – entregar resultados em situações difíceis, aceitar desafios, inspirar os outros a atingirem uma performance melhor do que imaginavam ser capazes.

Self-awareness – ser reflexivo, conhecer suas fortalezas e fraquezas, buscar feedbacks e insights.

Os benefícios de Learning Agility 

Learning Agility tem mostrado um impacto positivo, tanto para o indivíduo em si como para as empresas. Altos níveis de agilidade de aprendizagem são decisivos para uma alta performance no mundo VUCA (em português, volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade). Tânia Cosentino, presidente da Microsoft Brasil, considera que as empresas devem estimular o desenvolvimento dessas habilidades entre seus funcionários. Quanto mais as empresas oferecem feedbacks, oportunidades dos funcionários aprenderem com seus erros e situações, se desafiarem com novas experiências, maiores as chances de desenvolverem suas habilidades de Learning Agility e criarem um ambiente de agilidade. 

Nossas relações de trabalho mudam constantemente. A volatilidade veio para ficar. Para nos destacarmos entre nossos concorrentes e atingir o tão desejado sucesso, não bastam as mesmas práticas do passado. Se não nos reinventamos, ficamos parados no tempo, estagnados. Criatividade, flexibilidade, poder de comunicação e inovação são os pré-requisitos para um bom líder. A agilidade de aprendizagem de um funcionário somada ao incentivo e abertura das empresas, potencializa o sucesso de ambos. Por isso, quero finalizar com estas reflexões: Como empreendedor ou executivo, você tem contribuído para que sua equipe saia da zona de conforto e pense em soluções e possibilidades fora do padrão? Sua empresa tem correspondido com um mindset aberto, de desenvolvimento e adepto a mudanças? Como pessoa, você se identifica com algumas das habilidades de Learning Agility? Você sabe quais dessas habilidades precisa desenvolver?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

17 − thirteen =